Stana Katic Brasil » [Esquire Mexico] Amamos tanto a Stana

Stana Katic Brasil

Stana Katic Brasil

Siga-nos em nossas redes sociais:
[Esquire Mexico] Amamos tanto a Stana

[Esquire Mexico] Amamos tanto a Stana

Uma atriz multifacetada
Stana Katic fala sobre seus projetos mais recentes: a série de sucesso "Castle" e um filme independente, "For Lovers Only," que se tornou um fenômeno.

Os fanáticos pela série Castle certamente ficaram à beira de um infarto com o final da 3ª temporada, e contam os dias para o começo da 4ª. Existem séries nas quais no final da temporada é quando solucionam os mistérios. Outras, como "Castle," segue uma mesma linha narrativa ao longo de suas temporadas e deixam no último episódio um cliff hanger (uma situação de suspense não resolvida que, como o próprio nome indica, te deixa à beira de um precipício).

Se ainda não assistiram "Castle," o que precisam saber para entender a 4ª temporada (apesar de recomendarmos fortemente que aluguem e assistam todas as anteriores) é o seguinte: Richard Castle (Nathan Fillion) é um famoso autor de romances de suspense – ao estilo de John Grisham ou Dan Brown – que trabalha com a polícia de Nova Iorque. Castle quer que a personagem do seus livros, Nikki Heat, seja baseada na detetive Kate Beckett (Stana Katic). Como Castle é um grande amigo do prefeito nova-iorquino, conseguiu uma autorização para acompanhar os casos e ele acaba sendo uma peça chave para solucioná-los, junto com os detetives do Departamento de Polícia de Nova Iorque (NYPD).

O único caso que Beckett não foi capaz de solucionar em sua carreira foi o assassinato de sua própria mãe, 20 anos atrás. A cada temporada, Kate fica cada vez mais perto da verdade, mas como esse assassinato foi parte de uma conspiração na qual estão envolvidos homens muito poderosos, as evidências desaparecem e as testemunhas morrem, fazendo com que Beckett dê sempre de cara com a parede. No último episódio da 3ª temporada, Castle e Beckett descobrem que alguém do departamento de polícia está envolvido e Kate acaba sendo o alvo desses assassinos. Por outro lado, Rick e Kate (que têm uma tensão sexual cada vez mais intensa) finalmente põem as cartas sobre a mesa: "O que há entre nós?," ele pergunta a ela. É claro que, antes de sabermos a resposta, tudo termina.

O experimento dos irmãos Polish
O papel de Kate Beckett não é o único que mantem Stana Katic ocupada. Recentemente, ela colaborou com os irmãos Mark e Michael Polish ("Amor em Dobro," "Northfolk," "Sonhando Alto"), gêmeos cineastas que produzem filmes independentes, que fazem "O Mariachi" de Robert Rodríguez parecer um filme de grande orçamento. A crítica os ama. Roger Ebert descreveu "Northfolk" (2002) como "uma obra de arte". Seu projeto mais recente é o mais arriscado de sua carreira até agora: ele foi feito com zero dólares. Dirigido por Michael e escrito e produzido por Mark, é um filme intimista, com uma fotografia maravilhosa, em branco e preto, que homenageia a Nouvelle Vague do cinema francês. "For Lovers Only" foi filmado apenas com uma câmera Canon 5D, com luz natural, exceto por uma cena que foi iluminada com o iPhone de Michael.

É a história de um fotógrafo, Yves, que se encontra – durante uma viagem à Paris e por acaso – com o amor da sua vida, Sofia (nossa Stana), a quem ele deixou escapar há alguns anos. Juntos fazem um tour pela França (da Normandia a Saint Tropez), e se dão conta que seguem profundamente apaixonados um pelo o outro.

O incrível é que os irmãos Polish filmavam conforme chegavam aos lugares, sem pedir autorização – as pessoas pensavam que eram recém-casados e que estavam fazendo um vídeo pessoal –, Stana Katic não foi paga – ela trabalhou, literalmente, por amor à arte –, e quando terminaram de editar a película, a enviaram para o iTunes, onde obteve um sucesso avassalador. Ficou no primeiro lugar da lista de filmes românticos e independentes, é um dos 100 filmes mais baixados da história do iTunes e já faturou 200 mil dólares. É uma maneira de mostrar aos estúdios cinematográficos que não são necessários milhões de dólares para produzir um filme bom e bem sucedido.

Stana Katic conversou com o Esquire sobre o que podemos esperar da 4ª temporada de "Castle," um show que virou um culto, e sobre a experiência de trabalhar com os Polish.

ESQ: O final da 3ª temporada de Castle terminou com um suspense enorme. Você imaginava que levariam a série por esse caminho?
SK: Creio que esse enredo era indispensável para a história; para a minha personagem, foi de extrema importância que houvesse um traidor, porque isso a deixa cada vez mais perto da verdade sobre o assassinato de sua mãe. Eu pedia para os produtores e aos roteiristas que a [trama da] mãe de Kate fosse mais presente, por isso que no final da temporada a minha personagem está carregando consigo um colar com o anel de sua mãe. Também foi importante que aparecesse o pai de Kate [que nunca havia aparecido na série], porque faz com que minha personagem seja mais tridimensional.

Que outra coisa você gostaria que explorassem?
Sempre, no final dos episódios, nós vemos como Castle vai para sua casa e conversa com sua mãe sobre Kate, e assim ficamos sabemos o que ele sente por ela; mas nunca vemos o outro lado. Já estamos na 4ª temporada, acho que já está na hora de irmos à casa da Kate, ver como é sua relação com o pai, o que faz quando não está solucionando crimes, o que ela sente por Richard.

Agora que Kate é alvo dos assassinos, Castle irá protegê-la? Até agora tem sido o contrário, Kate é quem o protege.
Sim, mas na 4ª temporada, todos terão muitos segredos. Castle vai esconder coisas da Beckett, porque quer protegê-la, e vice-versa.

Outra coisa muito importante que acontece no final da temporada é o Castle perguntar à Beckett: "Então, o que somos?"
Finalmente reconhecem que existe algo muito forte entre eles. Existem alguns roteiristas que não querem juntá-los, porque acreditam que a tensão da série será perdida, e outros já querem que eles sejam um casal. Eu acredito que Richard e Kate podem ficar juntos e que ainda seria uma grande história. Os jogos e a tensão sexual pode continuar existindo.

Fale sobre sua personagem Sofia, de "For Lovers Only".
O encontro de Sofia e Yves é muito forte. Não se trata de dois personagens que acabaram de se conhecer e foi amor à primeira vista, são dois amantes que já têm bagagem, um passado. Interpretá-la, do modo como foi feito neste filme, foi algo que durava as 24 horas do dia. Não é como outras personagens, que você volta para casa e a deixa. Aqui, todo o tempo éramos Sofia e Yves, porque a qualquer momento Michael podia dizer: "Ação".

Como é trabalhar com os irmãos Polish?
Com Mark, já que ele também atua no filme, foi uma relação mais focada nos nossos personagens. Todo o tempo falávamos sobre eles, era quase como um relacionamento adolescente entre nós. E Michael era o observador, o que buscava nossos ângulos. Eles são gêmeos idênticos, se conhecem perfeitamente e têm uma cumplicidade muito criativa. Além disso, este filme é muito íntimo e era preciso ter confiança e uma comunicação quase telepática entre o ator e diretor. É tão íntimo, que as pessoas se constrangem ao vê-la.

Fora o sucesso que fizeram no iTunes, "For Lovers Only" recentemente ganhou o Audience Award no Transatlantyk Film Festival. No geral, tem ido muito bem...
Estamos surpresos pelo quão bem recebido ele foi. Não tivemos orçamento para a publicidade, então foram recomendações boca-a-boca. Esse filme dá muita esperança a jovens cineastas, porque mostra que desenvolver uma produção é bem acessível. Os irmãos Polish sempre trataram de provar que, se você quer fazer um bom filme, não tem que esperar para arrecadar 10 milhões de dólares. É só pegar uma câmera, juntar alguns atores e filmar a sua história.

Nova onda na era digital
"For Lovers Only" está no top 100 de vendas no iTunes, desde seu lançamento em 12 de julho. Chegou à 1ª posição das comedias românticas baixadas, à 4ª na categoria independente e à 20º na classificação geral, À frente de "Harry Potter" e "O Discurso do Rei". O filme já arrecadou aproximadamente 200 mil dólares, o que faz dele um dos rentáveis da história.